Prefeitura e CDHU sorteiam 126 moradias para famílias de Vista Alegre.

27/11/2017

A Prefeitura de Vista Alegre do Alto, junto com a Companhia de Desenvolvimento Habitacio­nal e Urbano (CDHU) - órgão vin­culado à Secretaria de Ha­bitação do Estado de São Paulo, realizou no último dia 25 de no­vembro o sorteio de 126 ca­sas populares para 573 inscritos. O even­to, que selecionou os be­ne­ficiados com as moradias, ocorreu no ginásio de espor­tes e contou com a presença do pre­feito Luís Fiorani e do coor­de­nador do progra­ma Cidade Legal, Geninho Zuliani, que re­pre­sentou o secretário Rodrigo Garcia, na ocasião.

Também prestigiaram a cerimônia a ge­rente re­gio­nal da CDHU, Silvia Meira, os depu­tados estaduais Marco Vinholi e Itamar Borges; os secretários municipais Fe­li­pe Fiorani e Maria Rita Vieira Cunha e os vereadores Zé Ri­cardo Joanini, Zé Reis, Marcelo Amado Grassetti, Ademir Costa (Baroninho), Joaquim Rodri­gues de Fi­guei­redo, Gilmar Cecato e Zezé Calde­rani Yaeka­shi. Do total de moradias, 102 serão destinadas à população em geral, nove para pessoas com deficiência, sete para ido­sos, seis para policiais e agentes e duas para indivíduos sós. As inscrições foram realizadas no dia 10 de outubro.

O prefeito Luís Fiorani desta­ca que é uma satisfação dar a oportunidade à po­pulação de realizar o sonho da casa pró­pria. Durante seu discurso, Fiorani fez um desabafo bem compre­en­sível. Sem citar nomes, ele disse que tentaram fazer uso eleitoral da obra. “Disseram [à época] que caso eu vencesse as eleições as casas não seriam construídas. Além de construir as casas, antecipamos em um ano sua en­trega”, declarou sob aplausos do públi­co.

Ainda durante seu pronun­cia­mento, o prefeito fez questão de lembrar que a cons­trução das 126 moradias só foi pos­sível porque na gestão do então prefeito Antonio Fiorani foi ad­quirido o terreno doado à CDHU, possibilitando a assina­tura do convênio na administração pas­sada. Antes de encerrar, Luís Fio­rani infor­mou que está a estudar a possibilidade de ad­quirir um novo terreno para cons­­tru­ção de mais casas populares destinadas às famí­lias de baixa renda.

De acordo com a CDHU, em breve as famílias sorteadas serão convocadas para o pro­ces­so de habilitação. Na oportu­nidade deverão comprovar os requisitos exi­gidos para partici­par do programa habitacional. É preciso ter renda entre um e dez salários mínimos, morar no muni­cípio há pelo menos cinco anos ou atestar que o chefe da família trabalha em Vista Alegre no mínimo pelo mesmo perío­do, não possuir imóvel ou finan­ciamento ha­bitacional e não ter sido atendido em outros progra­mas habitacionais de inte­res­se social. Os idosos precisam ter ida­de mínima de 60 anos e indivíduos sozi­nhos 30 anos ou mais.

Segundo a gerente regional, Silvia Mei­ra, será feito agora um “pente fino”, para que os sortea­dos possam comprovar alguns requisitos exigidos e poderem efetivamente receber os imóveis sortea­dos. Em caso de algum dos sorteados não conseguir a comprovação de algum dos re­quisitos exigidos pelo programa, a vaga será repassada aos su­plentes, obede­cen­do a ordem do sorteio. “Ser sorteado não significa que foi definitivamente contem­plado”, enfatizou. Ela também destacou a seriedade do sorteio de moradias feito pela CDHU.

Um dos sorteados, Ronaldo Roveri Júnior, que mora com a esposa e dois fi­lhos, conseguiu realizar o seu sonho de ter a sua casa e não ter que pagar mais aluguel. Ele contou que espe­ra­va ansioso pelo sorteio e que sentiu “forte emoção” quando ouviu chamar seu nome. “É o so­nho de todo mundo”, disse. A emoção foi o sentimento que imperou durante o sor­teio. Par­ticipantes, com os olhos mareja­dos de um choro de alegria, es­tampava no rosto a felicidade pela conquista do novo lar.

O empreendimento é viabi­lizado pelo Programa Morar Bem Viver Melhor, por meio da CDHU. O conjunto habitacional terá 126 casas de dois dormi­tórios, sala, cozinha, banheiro e área construída de 56,57 m². O prazo de financiamento dos imó­veis será de até 25 anos e as pres­tações receberão subsídio do governo do Estado, sendo calculadas de acordo com a renda familiar. Assim, famílias que ga­nham entre um e três sa­lários mínimos pagarão o equi­valente a 15% dos rendi­mentos. 

O residencial incorpora as melhorias estabelecidas como diretrizes de quali­dade da Se­cretaria de Estado da Habi­tação e será entregue com infraestru­tu­ra completa, pavimentação, paisagismo, redes de água, esgoto e elétrica, sistema de drenagem e iluminação pública. As casas terão sistema hidráu­lico preparado para receber aquecedores solares para água do chuveiro. Com investimento de R$ 14,9 milhões, a obra será entregue em duas etapas: metade das casas (63 uni­dades) deverão ser entregues até março do próximo ano e as moradias restantes deverão ser liberadas no final de 2018.